quarta-feira, 5 de outubro de 2011

De lugar nenhum. E ponto.



Deslocada nasci
Não sou daqui
Sou mais de "lá"
Teimo aqui, em tantas Luas
Só por não saber calar
Sei que falo por falar
Derramo solidão em público
Caço horizontes para além das brancas paredes
Não nasci para ter súditos
Sou (só!) mais um "face" na rede
Mas feita de carne, alma, osso...
'inda sigo faminta de gente!

(apenas um ponto escuro cercado de solidão por todos os lados. Apenas um ponto escuro, apenas um ponto escuro, apenas um ponto escuro, apenas um ponto escuro, apenas um ponto escuro, apenas um ponto, apenas............................................)

3 comentários: