terça-feira, 3 de abril de 2012

Fim e fim e fim...

arquivo pessoal


"Oi"
Ele mal respondeu.
Em meio à música
Ela quase padeceu
Fez os últimos registros daquele amor tão "seu" (ou só dela)
Gravado quadro a quadro...
Dançou algo tango, algo samba
Em seu último "Adeus".
Com algum outro"par"
(Qual mesmo seu nome?)
Se fez bandida em "cena aberta"
Ela que sempre era a "sobremesa certa"
Daquele que tanto sangue (AMOR) lhe verteu.
Teve um beijo quase roubado
(Qual mesmo o nome do guapo?)
Dissolvida em álcool
Girou sobre pés
Tentando crer
que o amor morreu...

(Certa de que seria odiada pra sempre. Ela, forjada a ama-lo até o fim dos tempos. Pelo menos não morreu.)
Seguiria viva de teimosa. Enfim, no limite da alma.
O fim se fez.
E um recomeço talvez.
(Só dela, só dela, acostumada em suas rotas incertas)

Quiça um renascimento (nada indolor)

Rota solo.

Oblivion- Piazzola

3 comentários:

  1. Sempre há um recomeço , a vida é assim ( felizmente ou infelizmente)...Tudo tem " o início, o fim, o meio"...( palavras de Raul.....).

    ResponderExcluir
  2. Eu compreendo o que guardas. porque também vivo a me encerrar para tentar num clic mágico (no meu pobre pensar) me reiniciar. Nem sempre dá e busco novas soluções nos instantes mais improváveis, nas pessoas menos indicadas. Na verdade adoro me arriscar, adoro parecer me expor, mas na verdade, verdade mesmo eu só queria amar...Frank Tavares

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o que todos queremos. Nada me convence do contrário...

      Excluir