quinta-feira, 26 de abril de 2012

Tanta Mentira/algo de niilismo

imagem colhida no google


Não acredito mais em minhas mentiras.
Não sou moça fina de carinhosa família.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não serei mais amada por lindas mobílias.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não sou mais a mais bela da história de amor.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não passo de alma dentro de um isopor.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não terei as formas que Ele sempre sonhou.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não tenho mais nada além do que me sobrou.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não tem mesa posta de manhãs sorridentes.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não levei nada além de seu ódio entredentes.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não tenho nem conto de um belo fim.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não sinto outro gosto, só fel guardado pra mim.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não sou dona do Mar que me fazia menina.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não quero a ilusão dos azuis do Marina.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não espero algo além de umas palafitas.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não quero delírios como parasitas.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não quero tanto além de poder estar viva.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não vou me cansar com quem sempre duvida.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não há arco-íris a me esperar.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não há outro modo, senão caminhar.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não quero morrer de tanto sonhar.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não quero senão verdade, ainda que doa, a me guiar.
Não acredito mais em minhas mentiras.
Não sou de Arte pouca, ainda que com muito lutar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário