terça-feira, 15 de maio de 2012

Pródigo.


memórias guardadas lá dentro




Peito aberto, acoberto.
Peito ao verde, com sede.
Peito que arde, que bate.
Que apanha e late.
Sentindo a dor de mil cães famintos.
Peitos com a fome de quinhentos mendigos
Por um só abraço de um tempo perdido.
Em rancores insolúveis de um amor banido.
Peito punido.
Peito que busca no verde. 
Uma gota de chuva vermelha.

5 comentários:

  1. Lindo, visceral!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dor materializada em palavras sai de mim...me deixa em paz...ando em meu tempo...de escritas catárticas, enfim...

      Grata pelo carinho, paciência, admiração, companheirismo, principalmente paciência. Obrigado por estar perto.
      Bjs.

      Excluir
  2. O que dizer? apenas concordar, imaginar os sentimentos...e dizer puramente lindo...Frank Tavares

    ResponderExcluir
  3. Minha querida amiga...! Você me emociona! Claudete Chiappini

    ResponderExcluir