sábado, 7 de julho de 2012

Sulco.

por  Claudia Tonelli




E aquela linha fina que acompanhava o canto esquerdo dos lábios daquela mulher, que (quase) ninguém mais via num rápido olhar, tomava proporções gigantes quando ela se via no espelho. Fechou o corte, mas a raiz daquela cicatriz se alojara no canto do espírito contando a história de um dia ruim...só mais um dia ruim...mas não se alojaria para sempre...estava decretada uma ordem de despejo, que trauma não foi feito para fazer morada perpétua na alma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário