terça-feira, 25 de setembro de 2012

Pecado.

por Marcos Antunes


Meus grandes pecados foram contra minha natureza. Tentando me adequar em fórmulas e demandas sociais que não cabem em mim. Muitas vezes fui personagem de mim mesma: rindo quando era tempo de chorar, chorar quando era tempo de rir. Depositando confianças incondicionais que me custaram caríssimas. Subtraindo da minha Alma energias que deveriam ser usadas em meu favor. Desses pecados, me quero livre. De roupas que não servem, cores que mascaram, expectativas que não me pertencem,  fantasias que me atrasam,  ilusões que me tiram o chão. Quero solo. Meu ascendente em Touro grita por pés no chão. Nunca fui uma estudiosa em astrologia, mas muita coisa parece fazer sentido. A Libra que habita em mim, signo do meu nascimento, urge pelo belo, mas não o belo óbvio aos olhos: o belo das genuínas interações humanas. O Amor ao próximo, não qualquer próximo. Um Amor livre de vassalagens afetivas de qualquer sorte. Amor se dá para quem quer ser amado. E tem aqueles que a gente ama à distancia, com a benção do desapego, coisa que só então começo a entender. Quero sempre o Amor, com todas as pessoas e coisas, absolutamente nu. Nu de delírios. Nu de (des)enganos. Nu com a mesma pureza com que chegamos ao mundo, posto que nunca entendi a nudez (sobretudo a do espírito) como pecado...pois de tanta coisa que aprendi, ainda não desaprendi a sonhar...

(E ontem joguei tanta coisa fora...)

arquivo pessoal

E tendo a Lua(...)




Um comentário:

  1. Arnaldo Vieira de Alencastre26 de setembro de 2012 15:37

    Asas de voar e pés de andar. Vôos e caminhos de uma grande pessoa, mulher e artista. Bjs linda Claudia, vida plena!

    ResponderExcluir