quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Sem saída - II

arquivo pessoal

Os que mentem são doentes. 
Os que omitem são covardes.
Quem fala é 'sincericida'. 
Não se encontram mais saídas.
A vida é um baile de máscaras
Minha persona é non grata
Entre feras, como Augusto
Dos Anjos, vivo robusto.
Mas ser fera no meio
Das feras, rodeio
De bestas no meu quintal
É sempre um penar diurno
Já sou insone noturno
Cansado de ser tão mau



Um comentário:

  1. Uma flexibilidade incrível com as palavras, em teus textos percebo a destreza com o manuseio das métricas e rimas, além de um sentimento profundo que crava nas artérias de quem a ler! Fiquei deveras encantado! Há uma sensualidade ímpar envolta a sua atmosfera, algo que prende, me suga... juro, senti as sucções, mesmo!

    ResponderExcluir