quarta-feira, 6 de março de 2013

Sopro.

imagem colhida no google

De brisa suave, que por vezes se cala e aquieta
Beija então o meu rosto e minha Alma irriquieta
   Se me guarda em Sonhos, de olhos despertos
Me lanço em seus braços, de peito aberto
Me cobre de cores, de 'róseos-lilases' 
Devolve-me as asas, cobertas de afeto
Me dá tua mão, quando enfim cai a noite
Eu sinto teu cheiro, madeira e tabaco
Eu bebo tua água direto da fonte
Eu guardo as lembranças num lindo (Há!)braço.

De Amor, liberdade, meus caminhos refaço... 


(Espanta medos meus, até sem saber, mesmo quando não percebo, só por existir)


Belo!





Nenhum comentário:

Postar um comentário