sábado, 12 de outubro de 2013

Com Amor.

arquivo pessoal

arquivo pessoal






















:: O Que Eu Posso Dizer Para a Criança que Fui um Dia?:: e que teima em vida em algum canto de mim?::

Pequena Claudia, 

Quarenta anos já se passaram, de mais uns tantos que provavelmente virão. Olho em seus olhos grandões e assustados, sei que não entende muita coisa ao seu redor. Sua infância foi sem sustos materiais (diferente dos dias atuais), e você chegou na 'família Tonelli' bem depois dos outros filhos, numa adoção de impulso. Teve todo o amor que foi possível receber. Bem como a expectativa típica dos filhos adotados: "esse será tão grato que não causará decepções"...e por algum tempo, cumpriu bem esse papel: colecionou diplomas de honra ao mérito nas escolas, ganhou prêmios de redação em Uberaba, foi apontada como a maior nota de toda uma instituição de ensino. Tinha tudo para ser médica, advogada, cientista da NASA, etc. Cresceu entre sobrinhos quase da sua idade, que livres do compromisso da excelência, Graças a D'us, estão muito bem e são pessoas excelentes no que fazem e são. Bem como você, ainda que "gauche" na vida. E para olhos desavisados, que fique claro: sua alma repleta de sonhos não guarda espaço para inveja ou rancor. Talvez uma dor "fininha" pelo circunscrito espaço familiar que lhe foi reservado. Mas lembre-se, criança: Você cresceu, deixando de ser semente para ser raiz. Tem sua filha, que dela só espera que seja feliz e correta no que escolher fazer da Vida. Isso é evolução. Pequena Claudia, quando de você se apiedarem por qualquer razão, encha-se de cores, suba em seus saltos. Fique ainda mais bonita (pois você é bem bonita sim, viu?) ; você que é ainda mais bacana que bonita! E isso quer dizer que você é bacana demais, não faça por menos. O mundo não sabe lidar com a melancolia dos que sentem demais. Não é culpa do mundo. Mais que de fórmulas, você precisa da Arte. Desenhada, escrita, vivida e respirada. O que vier dela, há de ser consequência. Se tocar um só coração para além do seu, será bônus: o artista é um "fazedor" solitário por definição. Que muitas vezes sorri no salão e chora no quarto, que também pode ser lugar de alegrias. Só suas, ou compartilhadas. E você bem sabe disso. Mas voltando à criança Claudia...sua pulsão de vida seguirá arranhada, mas inteira(!) na Claudia que se tornará. Por todos os sonhos que acarinhou e não deixou morrer. Pela vocação do Amor que permanecerá em você, só tenho a agradecer. À pequena Claudia que, aos quatro anos, bem pouco tempo antes de começar a ler de forma plena e cognitiva, já dizia que escreveria livros. Agora isso é real, e o primeiro autoral chegará no Verão! E dos grandes amores, a maioria virará inspiração. Um deles até lhe dará sua filha tão querida. Agradeça tudo: calamidades e glórias. Todo o barro do qual é feita. Essa é sua graça: Não foi feita em série. E não se envergonhe: excesso de humildade é arrogância das feias, isso sim. Talvez um dia você viva um grande amor de verdade (como o que você viverá aos seus dezoito anos!), mas agora, nessa adulta que lhe fala, seu foco são a palavras. Aproveite seu "desapetite" desse momento para romances na vida real para criar e matar a morte. A maioria dos moços estão meio bobos mesmo, mas cuidado com a generalização. Brinque com a própria imagem, vá o Parque Lage em sua própria companhia, ou de sua filha. Alegre sua alma. Tempos de Alegria se anunciam. Você é um milagre. E eu a amo, pequena Claudia. Tem muita gente torcendo por você, acredite. Agora pode soprar a vela e seguir em frente, que a vida chama.

Com carinho,

a Claudia que segue crescendo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário